Esse mês de novembro vai ficar marcado para sempre na minha memória e o principal motivo foram os ataques terroristas em Beirute, Bagdá e o mais famoso e de maior exposição da mídia em Paris.

É claro que quando a tragédia chega mais perto é que sentimos o quanto real ela é. Há dois anos atrás eu compartilhava a mesma opinião da maioria que nos assiste de longe : que as pessoas da região buscam guerra, querem guerra e fazem guerra em nome de Deus. Eu não podia estar mais errada.

Aqui fiz amigos sírios que não podem voltar para suas casas, fiz amigos libaneses que tem medo de andar pelas ruas de seu país, fiz amigos do Iraque, da palestina e de tantos outros lugares que se veem impedidos de fazer uma simples viagem de férias porque onde vão tem o visto negado.

Quando cheguei meu inglês era muito ruim. Uma menina muito querida do Kuwait teve a maior paciência comigo, me ensinou, me corrigia com carinho, ria dos meus erros engraçados e, comigo, ela aprendeu a falar português. Em junho desse ano ela estava na casa dos pais em seu país quando aconteceu um ataque terrorista a uma mesquita que fica na mesma rua. Ela está bem, mas 37 muçulmanos morreram enquanto rezavam.

A verdade é que não é a religião que faz o terrorista. O homem é mau. Todos têm que começar a entender que os árabes e os muçulmanos são tão vítimas dessa situação quanto qualquer um, talvez até mais. Isso porque além de sofrerem com o medo como todos nós ainda sofrem com o preconceito dos que não entendem sua situação.

E o Qatar? Onde está no meio de tudo isso?

Bom, o Qatar é considerado um dos países mais seguros do mundo. A maior base militar americana no oriente médio fica aqui. Além disso o país não tem se posicionado fortemente ou agido diretamente contra o ISIS o que diminui a chance de se tornar um alvo.

Na história moderna do país, o único ataque terrorista que aconteceu já tem mais de 10 anos. Um carro bomba foi detonado em frente ao Doha Players Theater causando a morte de um britânico que estava próximo ao local.

Depois do ataque ao Kuwait, os shoppings, hotéis e o complexo de igrejas reforçaram a segurança. Agora virou rotina passarmos por um detector de metais. O país também está investindo em equipamentos de vigilância e segurança com o fim de evitar que qualquer atividade suspeita fique longe dos olhos das autoridades.

Em 2004 para demonstrar sua luta contra o terrorismo o Qatar criou um comitê (QACA) para fiscalizar as atividades financeiras de instituições beneficentes do país, isto porque, acredita-se que algumas dessas enviavam dinheiro para organizações como a Al- Qaeda.

Dois nacionais foram incluídos na lista de terroristas dos Estados Unidos, mas não podemos tirar todos por um, já que tem até brasileiro que tá na América latina e nunca veio pra região se juntando ao ISIS!

O sistema contraterrorismo aqui tem se demonstrado eficiente. Mesmo assim de tempos em tempos as Embaixadas enviam alertas aos seus nacionais pedindo que evitem aglomerado de pessoas e áreas ao redor de mesquitas nas sextas feiras. Isso é o que temos feito.

Por enquanto aqui vai tudo bem. Estamos todos mergulhados nessa onde de medo e terror, afinal nunca se sabe quando uma bomba vai explodir enquanto você está tomando café ou alguém vai achar que sua vida vale menos que um celular e te matar, ou ainda uma barragem vai romper e tirar a vida de um rio e todo seu ecossistema como aconteceu em Mariana- MG.

A nós cabe orar e agradecer por cada dia que temos a oportunidade de estarmos vivos. Olhar por onde andamos e pedir aos céus que nos proteja.

Thaís já foi atriz de teatro amador, bailarina torta, advogada e professora universitária. Mora no Qatar e desde que chegou a Doha, depois de 18 horas de viagem, se descobriu desbravadora. Como uma boa capricorniana não se acostumou bem à mudança, entretanto isso não foi obstáculo para que abrisse seu coração para viver uma nova aventura diferente de tudo que já viveu antes. Aos poucos Doha ganhou seu coração a ponto de sentir o desejo pulsante de dividir com o mundo o que este lugar tem a oferecer.

4 comments on “Vamos falar sobre o medo”

  1. Muito bom. Pretendo morar em Doha este ano. Vc sabe como é o mercado aí p quem trabalha com informática? Sou técnico em. suporte e manutenção e tb sou cientista da computação. Acredito que aí a mão de obra tem mais valor.
    Parabéns pelo blog.

    • Oi Adriano. Tem alguns brasileiros trabalhando nessa área e parece bom. Não sei dizer mais a fundo, mercado tem! Muito obrigada =)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *