O governo do Qatar acredita que uma população saudável é o segredo para uma nação próspera, por isso, em 2013, colocou em ação o “SEHA”, regime de seguro social, para cobrir toda a população, cidadãos e residentes do país, com um seguro universal de saúde.

Esse plano veio para cumprir resoluções das Nações Unidas e da Organização Mundial de Saúde que determinam a países membros que prestem cuidados de saúde universal sendo este um objetivo chave para o desenvolvimento.

Neste ano passou a ser obrigatório a todos os indivíduos que vivem no país ter uma apólice de seguro de saúde privado. No caso dos qataris essa é financiada pelo governo, no entanto, para expatriados os seus empregadores são responsáveis pela concessão de uma cobertura adequada, e nos poucos casos em que não exista empregador o expatriado terá que comprar cobertura.

Meu marido tem o seguro de saúde pago pela empresa e eu, como não tenho empregador, tenho o mesmo seguro sendo que  pago pelo meu marido. Pagamos para mim o valor mensal de QR 350,00, o equivalente a R$ 409,50.

Além da opção do plano de saúde privado, a população pode optar pelo “Health Card” (cartão saúde), que dá acesso aos hospitais e clínicas de saúde do governo. Ao todo são 21 clínicas e 8 hospitais sendo o Hamad General Hospital o mais completo no país.

O valor anual do Health card é QR100,00 (R$117,00) e, exceto nos atendimentos de emergência, é cobrado uma taxa simbólica pelos atendimentos sendo o resto dos valores do tratamento subsidiados pelo governo.

No meu caso, que tenho seguro privado, toda vez que eu o utilizo pago uma taxa de QR 75,00 (R$87,75) nos quais estão inclusos todo atendimento médico, exames e remédios receitados. No fim, até que a conta não é tão alta.

DSC_0538_web
Meu cartão de saúde e últimos exames feitos

A saúde privada conta com três grandes hospitais além de diversas clínicas. Em breve mais um hospital será inaugurado, o SIDRA. Este hospital tem contratado os profissionais mais qualificados do mundo e será especializado em saúde da mulher além de também poder ser considerado um ponto turístico já que ostenta a MA-RA-VI-LHO-SA escultura “Jornada Milagrosa” do Damien Hirst.

Se por um lado a prestação de saúde no país parece ótima, por outro temos por consequência a eterna desconfiança do governo no que diz respeito aos expatriados. Depois que foi implantado esse sistema de saúde eficiente e monetariamente acessível, os vistos para pessoas idosas passaram a ser difíceis ou quase impossíveis de se conseguir.

Ou seja, você mora aqui e quer trazer sua vozinha para passear, ela está saudável e feliz, quer só ver a netinha e passar uns dias agradáveis de férias, o governo pensa que ela está doente e está vindo para o país para ser internada como emergência e que eles que terão que arcar com os custos do tratamento, na dúvida, nada de visto para a vovó.

Efeitos colaterais a parte, o sistema é bom e tem tudo para melhorar. Afinal o Qatar foi o primeiro da região a implementar algo parecido. Para quem não sabe não existem impostos no país, por isso a saúde pública cobra uma pequena taxa pela utilização.

Agora não mais, mas eu já soube de casais que fizeram o tratamento de fertilidade aqui no Qatar pois os preços eram muito abaixo de qualquer outro lugar do mundo. Digo não mais porque esse tratamento específico, devido a larga procura, hoje é restrito aos qataris.

Para tudo funcionar direitinho é só as pessoas pararem de procurar os médicos apenas quando estão morrendo e buscarem para um acompanhamento contínuo. É difícil mudar a cultura, mas acredito que, em breve, o Qatar não será apenas o país com o crescimento mais rápido do mundo será também o mais saudável.

Links relacionados:

QATAR HEALTH SYSTEM

HEALT INSURENCE

WHAT IS SEHA

COMPULSORY HEALT INSURANCE LEAVES WINDOW FOR TREATMENT ABROAD

Publicado originalmente em: www.brasileiraspelomundo.com

Thaís já foi atriz de teatro amador, bailarina torta, advogada e professora universitária. Mora no Qatar e desde que chegou a Doha, depois de 18 horas de viagem, se descobriu desbravadora. Como uma boa capricorniana não se acostumou bem à mudança, entretanto isso não foi obstáculo para que abrisse seu coração para viver uma nova aventura diferente de tudo que já viveu antes. Aos poucos Doha ganhou seu coração a ponto de sentir o desejo pulsante de dividir com o mundo o que este lugar tem a oferecer.

2 comments on “BPM- Sistema de saúde no Qatar”

  1. Olá Thais,

    Gostei muito do seu blog, muita informação interessante.
    Recebi uma proposta para trabalhar em Doha mas estou muito em dúvida. Vou ser bem direto e espero que possa me ajudar. Recebi uma proposta de QR 23.000 para trabalhar em Doha. Homem, solteiro, 24 anos.
    Seja bem sincera, o que acha? Vale a pena ir por esse dinheiro? Vou conseguir viver razoavelmente bem?

    Muito obrigado por todas as informações do blog, realmente ajudam muito quem está procurando sobre a vida no Catar.

    Um abraço

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *